GPIDEIA TECNOLOGIA http://gpideia.com.br/ Noticias sobre tecnologias, web, aplicativos, e muito mais pt-BR Porsche Taycan ganha verso menos potente, mas com a maior autonomia da linhahttp://gpideia.com.br/noticia/porsche-taycan-ganha-versao-menos
Configuração 4S tem até 571 cv, menos do que os 625 cv da Turbo e da Turbo S. Já a autonomia pode chegar a 463 km — mais do que das versões mais caras. Porsche Taycan 4S Divulgação Depois de mostrar as versões mais potentes, de até 761 cavalos, a Porsche revelou nesta segunda (14) todos os detalhes de uma versão mais simples do Taycan, seu primeiro carro elétrico, que agora parte de 105.607 euros. Chamada de 4S, ela entrega 530 cavalos de potência na configuração Performance com bateria de 79,2 kWh, e 571 cavalos no pacote Performance Plus, que é opcional e tem bateria de 93,4 kWh. Apesar da diferença de potência entre as duas configurações, o desempenho é exatamente o mesmo: de acordo com a Porsche, qualquer Taycan 4S pode ir de 0 a 100 km/h em 4 segundos e tem a velocidade máxima limitada em 250 km/h. Porsche Taycan 4S Divulgação O que muda é o quanto cada uma pode rodar com uma carga. Enquanto a Performance tem autonomia de até 407 km, a Performance Plus pode chegar a 463 km — maior alcance da linha Taycan, até mesmo em relação às versões mais caras, Turbo e Turbo S. Por falar nas configurações mais potentes, a Porsche causou polêmica ao batizá-las de Turbo e Turbo S — por ser um veículo elétrico, obviamente não há turbo. A fabricante se explicou, dizendo que esta é a designação para configurações com melhor desempenho. O Taycan é um pouco menor do que um Panamera. Ele tem 4,96 metros de comprimento, 2,90 m de entre-eixos e 1,96 m de largura. Porsche Taycan 4S Divulgação CONHEÇA O TAYCAN, O PRIMEIRO CARRO ELÉTRICO DA PORSCHE G1 mostra o Porsche Taycan, primeiro carro elétrico da marca ]]>
Caminho mais rpido do mundo exibido em feira em So Paulohttp://gpideia.com.br/noticia/caminhao-mais-rapido-do-mundo-e
Volvo Iron Knight tem 2.400 cv e pode chegar a 276 km/h. Ele acelera de 0 a 100 km/h em apenas 4,6 segundos. Volvo Iron Knight Divulgação O caminhão mais rápido do mundo está no Brasil. O Volvo Iron Knight, ou cavaleiro de ferro, na tradução livre, estará em exposição na Fenatran, feira de transporte de cargas, até a próxima sexta-feira (18). O evento abre as portas para o público nesta segunda-feira (14), no São Paulo Expo. O Iron Knight é baseado em um caminhão de linha, o extra-pesado FH. Mas tem diversas alterações mecânicas e na carroceria. Sua potência, por exemplo, é de 2.400 cavalos, enquanto o torque é de mais de 610 kgfm. Toda essa força é gerenciada por uma transmissão automática de dupla embreagem. Veja mais notícias sobre caminhões G1 andou no caminhão de corrida brasileiro de 1.250 cv Conheça o caminhão que dirige sozinho e não tem nem cabine para o motorista Como comparação, o FH com o motor mais potente entrega 540 cv e 265 kgfm. O Iron Knight ainda tem 3 vezes mais potência do que uma Lamborghini Aventador SVJ. Volvo Iron Knight Divulgação A Volvo diz que seu supercaminhão é dono de dois recordes, homologados pela Federação Internacional de Automobilismo, a FIA: aceleração de 0 a 500 metros e de 0 a 1.000 metros. O modelo cumpriu essas provas em 13,67 e 21,14 segundos, respectivamente. O caminhão ainda acelera de 0 a 100 km/h, em 4,6 segundos, mesmo tempo de um Mercedes-AMG C43. A velocidade máxima é de 276 km/h. Tudo isso em um veículo que pesa 4,5 toneladas. A relação peso/potência, de 1,9 kg/cv, é superior à da Ferrari GTC4Lusso, de 2,6 kg/cv. Volvo Iron Knight Divulgação Esta é a primeira vez que o Iron Knight sai da Europa. Ele é um exemplar único, construído na sede da empresa, na Suécia. Sua base é o FH. "O caminhão usa a mesma transmissão I-shift e tem um motor com os mesmos componentes internos dos motores que equipam nossos veículos de produção regular, mas com preparação que atinge potência quase cinco vezes superior”, afirmou Alcides Cavalcanti, diretor comercial de caminhões da Volvo, em nota. A carroceria do Iron Knight é mais baixa do que a de um FH convencional. O chassi, segundo a Volvo, também foi reforçado, já que a potência é muito mais alta. Além disso, as tomadas de são maiores. O aço acabou substituído pela fibra de vidro, um material mais leve. Conheça o caminhão mais rápido do mundo ]]>
Preos dos combustveis nos postos tm nova semana de altahttp://gpideia.com.br/noticia/precos-dos-combustiveis-nos-postos-tem
Segundo a ANP, houve aumento no valor do diesel, da gasolina e do etanol. Postos repassaram o aumento da gasolina ao consumidor Marcelo Brandt / G1 Os preços médios dos combustíveis para o consumidor final voltaram a registrar um aumento semanal, de acordo com dados divulgados nesta sexta-feira pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) nesta sexta-feira (11). Segundo a agência, houve aumento no valor do diesel, da gasolina e do etanol. Levantamento semanal de preços - combustíveis Os preços divulgados representam uma média caculada pela ANP a partir de dados coletados em postos em diversas cidades pelo país. O valor, portanto, pode variar de acordo com a região. O resultado desta semana representa a quinta alta seguida do preço da gasolina nos postos, e a sexta do diesel. Já o etanol teve seu terceiro aumento semanal consecutivo. Preços da Petrobras As altas ocorrem após a Petrobras ter elevado os valores do diesel e da gasolina por três vezes ao longo do mês anterior. A empresa reajustou pela última vez a gasolina em 27 de setembro, com uma alta na sequência de turbulências no mercado de petróleo depois de ataque sobre instalações produtivas da Arábia Saudita em meados do mês passado. Já o diesel não tem alterações desde 19 de setembro. Os repasses dos ajustes no preço nas refinarias para ao consumidor final, nos postos, dependem de diversos fatores, como impostos, margens de distribuição e revenda e mistura de biocombustíveis. O consumo dos estoques das distribuidoras também influenciam na velocidade que os repasses ocorrem para os postos. As cotações da estatal nas refinarias têm como base a paridade de importação, formada pelos preços internacionais mais os custos que importadores teriam, como transporte e taxas portuárias, por exemplo, além de uma margem que cobre os riscos. ]]>
Empresa francesa cria airbag inteligente para ciclistashttp://gpideia.com.br/noticia/empresa-francesa-cria-airbag-inteligente
Equipamento custa o equivalente a R$ 3,1 mil, e é acionado milésimos de segundo antes da queda. Empresa francesa cria airbag para ciclistas Divulgação Lançado em setembro no mercado, o colete desenvolvido pela empresa francesa Helite antecipa quedas e choques com veículos, protegendo o tórax, o pescoço e as costas. Gérard Thevenot, CEO da companhia, espera que o produto esteja em breve disponível no Brasil. Na França, 2 milhões de pessoas andam de bicicleta todos os dias e esse número tende a aumentar nos próximos anos. A “magrela” é um meio de transporte ecológico, que vem sendo incentivado e mesmo subvencionado por algumas prefeituras, como é o caso de Paris. A cidade multiplica as construções de ciclovias na capital e restringe a circulação de carros para diminuir a poluição e a emissão de gases poluentes. Em toda a Europa, a estimativa é que 7% dos ativos vão de bicicleta para o trabalho todos os dias. Uma progressão que levou a empresa francesa Helite, especializada em airbags para motoqueiros e cavaleiros profissionais, a identificar um nicho ainda pouco explorado, de proteção para ciclistas, até então restrito ao capacete. “O colete airbag vai proteger o tórax, o pescoço e o abdômen, lesões bastantes frequentes em acidentes de bicicletas. Em geral, os ciclistas são atingidos por carros que cortam a rodovia ou não conseguem parar quando um caminhão que está na frente freia repentinamente, por exemplo”, explicou Gérard Thevenot, CEO da Helite, à RFI. Empresa francesa cria airbag para ciclistas Divulgação O colete, explica, vai evitar lesões que ocorrem na parte de cima do corpo. Em grande parte dos acidentes, diz, a cabeça é jogada para trás, e atinge as vértebras, com graves consequências. “O colete também proporciona uma boa proteção nas costas, onde ocorrem cerca de 20% dos ferimentos mais graves”, diz. O dispositivo foi testado em diversos crash-tests realizados no laboratório da empresa, em Poisy, na região de Haute-Savoie, no leste da França. “Tentamos testar todo tipo de acidente que pode acontecer com um ciclista”, explica Thévenot. Algoritmo sofisticado O equipamento, feito de nylon térmico, foi inventado por um grupo de engenheiros da empresa que trabalhou cerca de dois anos em um algoritmo sofisticado, que analisa os movimentos do ciclista em tempo real. Dois sensores, um colocado no colete e outro no banco da bicicleta, se conectam e fornecem a posição do ciclista, a velocidade e antecipam as quedas e os choques. A detecção do acidente acontece em 60 milésimos de segundo e o airbag enche em 80 milésimos de segundo. “A grande dificuldade foi de fato determinar um algoritmo que desencadeasse o airbag na hora certa, do acidente. Não quando a bicicleta desce uma calçada, freia ou muda de direção, por exemplo”, explica o representante da empresa. "O colete, desta forma, foi concebido para funcionar somente quando detecta uma colisão com um carro, um caminhão, muro ou obstáculo, ou no caso de uma queda. Se o ciclista cai, mesmo em uma situação de pouco risco, ele estará protegido." Empresa visa mercado brasileiro A empresa espera poder comercializar o produto no Brasil, mas antes precisa fechar um contrato com uma rede de distribuição de material especializada em ciclismo. Outra dificuldade, ressalta Thévenot, é o imposto sobre a importação. “As taxas são elevadas e o custo final do produto acabará sendo alto”, declara. Na França, o airbag custa 690 euros, o equivalente a R$ 3.140. “Gostaríamos muito de penetrar no mercado brasileiro, há certamente muitas vidas que podem ser salvas”, ressalta. Só no primeiro trimestre deste ano, em São Paulo, foram registradas 16 mortes com ciclistas em acidentes de trânsito – o que representa 220% a mais em relação ao ano passado. Os dados foram divulgados pelo Infosiga, órgão vinculado ao governo no estado, em abril deste ano. Proteção para patinetes e pessoas idosas Com o aumento do número de usuários de patinetes elétricas na França, e dos acidentes, muitas vezes graves e fatais, a empresa agora está desenvolvendo uma proteção específica para o veículo. O airbag também funcionará de maneira preditiva. “Os movimentos de alguém em cima da patinete são diferentes de uma pessoa em cima de uma bicicleta. Nesse caso, combinamos as informações sobre os movimentos da bicicleta e do ciclista. Unindo os dados, sabemos se se trata de um acidente ou de um uso normal. Agora precisamos trabalhar o algoritmo para a patinete”, detalha. O mercado dos seniores também está na mira da empresa francesa, que investe na criação de um airbag para pessoas idosas. “É um dispositivo que protege o quadril. Por volta dos 80, 85 anos, se uma pessoa cai, pode quebrar o fêmur proximal, provocando problemas para andar. Se alguém para de caminhar aos 80 anos, a expectativa de vida diminui muito: a qualidade de vida cai e as pessoas perdem a vontade de viver. Todos nós envelheceremos um dia e vamos precisar desse tipo de produto”, acredita. Por enquanto, o equipamento está disponível apenas na Europa, já que os Estados Unidos exigem uma certificação específica. ]]>
Renault demite o diretor executivo Thierry Bollorhttp://gpideia.com.br/noticia/renault-demite-o-diretor-executivo
Clotilde Delbos, diretora financeira do grupo, substituirá Bolloré provisoriamente. Thierry Bolloré Fabrice Coffrini O conselho de administração da Renault demitiu nesta sexta-feira (11) o diretor executivo da empresa, Thierry Bolloré, menos de um ano depois ele assumir o cargo. Clotilde Delbos, diretora financeira do grupo, substituirá Bolloré provisoriamente. "O conselho de administração decidiu encerrar o mandato de diretor executivo da Renault SA do senhor Thierry Bolloré com efeito imediato", anunciou a empresa em um comunicado. Thierry Bolloré comandava a empresa ao lado de Jean-Dominique Senard, com quem mantém uma relação tensa. Com a decisão, o grupo francês encerra a etapa de Carlos Ghosn, ex-CEO do grupo Renault-Nissan-Mitsubishi, que foi preso em 2018 no Japão e enfrenta acusações por supostos crimes fiscais. Sua detenção provocou uma grande tensão no grupo Renault-Nissan e o sucessor de Ghosn à frente da Nissan, Hiroto Saikawa, também teve que abandonar o cargo esta semana, ao ver seu nome envolvido em outro caso de pagamentos indevidos. ]]>
iFood anuncia seguro contra acidentes para entregadoreshttp://gpideia.com.br/noticia/ifood-anuncia-seguro-contra-acidentesVolkswagen Golf tem visual da nova gerao reveladohttp://gpideia.com.br/noticia/volkswagen-golf-tem-visual-da-nova
Lançamento mundial está marcado para dia 24 de outubro. Primeiros desenhos do interior também foram mostrados. A Volkswagen revelou nesta quinta-feira (10) os detalhes de como será a nova geração do Golf. Divulgação A Volkswagen revelou nesta quinta-feira (10) os detalhes de como será a nova geração do Golf. O lançamento oficial da 8ª geração está marcado para 24 de outubro. De acordo com a montadora, o modelo seguirá as tendências atuais de eletrificação, assistências de direção e serviços online a bordo, mas poucos detalhes do carro foram divulgados. O carro estará mais "digital e conectado" do que nunca, afirmou a Volkswagen. Interior da 8ª geração do Volkswagen Golf Divulgação Antes das imagens divulgadas nesta quinta, o Golf 8 havia aparecido apenas camuflado, o que deixava um mistério de como seriam suas linhas finais. Volkswagen Golf teve primeira imagem oficial revelada, mas modelo está camuflado Divulgação/Volkswagen Golf no Brasil Enquanto isso, a sétima geração do Golf tem a linha reduzida no Brasil. A Volks tirou de linha as versões com motores 1.0 e 1.4 turbo, mantendo apenas a opção esportiva GTI. Por outro lado, confirmou que uma variante híbrida, chamada de GTE, será lançada até o fim do ano. Evolução das gerações do Golf Divulgação ]]>
Yamaha prepara scooter eltrico 'que anda como um 125 cc' http://gpideia.com.br/noticia/yamaha-prepara-scooter-eletrico-que
E01 terá modo de recarga rápido e foi desenvolvido para ser um veículo urbano. Sua estreia será no Salão de Tóquio 2019, no final de outubro. Yamaha E01, o scooter elétrico será apresentado no Salão de Tóquio 2019 Divulgação A Yamaha revelou nesta quinta (10) novidades que estarão no Salão de Tóquio 2019, que vai de 23 de outubro a 4 de novembro, no Japão. O scooter elétrico E01 é um dos destaques, mostrando o interesse da fabricante em expandir seus veículos movidos à eletricidade. Com várias montadoras começando a investir em motos elétricas, como a Honda e a Harley Davidson, a Yamaha também entra nessa briga. 'Anda como 125 cc' Como os veículos elétricos ainda são uma novidade para a maioria das pessoas, a Yamaha comparou seu novo modelo a um movido a combustão. De acordo com a montadora, seu desempenho é semelhante ao de uma scooter de 125 cc. ]]>
Chevrolet faz novo recall do Tracker por falha na suspenso dianteirahttp://gpideia.com.br/noticia/chevrolet-faz-novo-recall-do-tracker-por
Ponto de solda com defeito pode provocar separação da roda do conjunto, causando acidentes. Chevrolet Tracker Divulgação A Chevrolet está convocando um segundo recall no Tracker, por uma falha na suspensão dianteira. A primeira chamada foi realizada em maio deste ano. Agora, há unidades de diferentes anos de produção. Veja abaixo os chassis envolvidos: Modelos de 2014 e 2015 Chassis entre EL107306 e FL177282 Data de produção entre 19 de jungo de 2013 a 07 de janeiro de 2015 Modelos de 2015 a 2018 Chassis entre FL242228 e JL120620 Data de produção entre 01 de julho de 2015 a 30 de junho de 2017 A falha está no braço de controle dianteiro, que pode ter um ponto de solda diferente do especificado. Com o defeito, pode haver fadiga na peça, provocando quebra e deslocamento da roda do veículo, comprometendo a dirigibilidade. O reparo é gratuito. Procurada, a Chevrolet não informou o número de unidades envolvidas neste recall. Initial plugin text ]]>
Veja como um caminho que dirige sozinho e no tem nem cabine para o motoristahttp://gpideia.com.br/noticia/veja-como-e-um-caminhao-que-dirige
Conceito da Scania ainda não tem data para ser lançado. Primeira exibição para o público aconteceu na Suécia. Veja como funciona um caminhão que dirige sozinho e não tem nem cabine A profissão de motorista de caminhão, ao menos em determinadas situações, está ameaçada. Isso porque algumas fabricantes já estão desenvolvendo veículos autônomos, que, não apenas dispensam a presença de uma figura humana a bordo, como também aboliram a cabine de motorista. A sueca Volvo apresentou, há alguns anos, um conceito de caminhão sem cabine. Na última semana, a conterrânea Scania fez o mesmo, com o protótipo AXL. Volkswagen terá plano para produção e vendas de caminhões elétricos no Brasil Veja mais notícias sobre caminhões Caminhão da Scania desvia de veículo em demonstração na Suécia André Paixão/G1 A primeira demonstração para o público aconteceu no último dia 2, na sede da empresa, em Södertälje, que fica a 30 km da capital sueca, Estocolmo, durante o Innovation Day promovido pela Traton, dona da Scania. O G1 esteve no evento e conheceu o AXL. Apesar de não ser a pioneira em mostrar um caminhão que dirige sozinho sem a cabine, o veículo da Scania parece estar mais pronto para entrar em operação do que o da concorrente. Ainda assim, não há uma resposta definitiva para quando o AXL poderá estrear. "Não sei quando teremos um caminhão desse disponível para os clientes, mas ele está pronto. Depende das regulamentações de cada país. A tecnologia já temos" disse Xavier Carreras Castro, chefe de estilo da Scania. A Scania não deu detalhes sobre a motorização do AXL, apenas disse que ele rodará com biocombustível. Funciona mesmo? Scania AXL em demonstração na Suécia André Paixão/G1 Na demonstração na Suécia, o AXL percorreu um pequeno trecho em uma pista de asfalto molhado. Técnicos da Scania ainda posicionaram um automóvel na frente do caminhão, que fez o desvio, passando a cerca de 1 metro do carro. A comunicação do veículo com o público é feita por meio de uma fina faixa de LEDs que percorre todo o caminhão. Quando está na cor azul, indica que o AXL está se movendo para frente. Quando a luz passa para vermelho, significa que o modelo começará uma manobra em marcha ré. A Scania não detalhou a motorização, mas disse que o caminhão é movido a biocombustível - provavelmente gás. Sob controle Caminhão autônomo sem cabine da Scania Divulgação Atualmente, caminhões autônomos já rodam em testes ao redor do mundo. Mas sempre com uma cabine convencional, e um motorista de prontidão, caso algo aconteça diferente do esperado. Naturalmente, chegará o momento em que isso não será mais necessário. "A estratégia é ir passo a passo, desenvolvendo a tecnologia junto com os clientes", falou o chefe de operações da Traton, Christian Levin. Caminhão autônomo sem cabine da Scania Divulgação Para o executivo, caminhões autônomos inicialmente ocuparão um nicho, em determinadas áreas, como a mineração, função destacada pela Scania com o AXL. "Seria ingenuidade tentar desenvolver uma tecnologia que cobrisse todas as utilizações", concluiu. A mineração é o ambiente mais propício para veículos que dirigem sozinhos por ter circulação restrita e reduzida. "Há menos variáveis, como carros, motos, ciclistas e pessoas" afirmou Carreras. E a janela? Scania AXL mantém identidade visual da empresa Divulgação Para Carreras, que foi o responsável pelo design do AXL, a parte mais desafiadora da criação foi preservar a identidade visual da Scania. "Nos outros modelos, temos as molduras das janelas em preto, se unindo a grade em forma de T. Mas aqui não temos janelas. Então decidimos fazer um T invertido usando a grade frontal, e avançando pelas laterais", falou. Câmeras, radares e lidares do Scania AXL André Paixão/G1 As diferenças do AXL para um caminhão "convencional" vão muito além das janelas. Apesar de usar a mesma base de um modelo tradicional, ele tem um módulo de controle no lugar da cabine. As informações são coletadas por meio de 7 câmeras, lidares (que utilizam ondas laser) e radares, espalhados pelo veículo. O sistema de condução autônoma foi desenvolvida a partir do software já usado nos caminhões da marca que dirigem sozinhos em testes. Fim dos motoristas? Scania AXL Divulgação Também não há uma resposta pronta para essa pergunta. Mas há uma discussão por todo o mundo sobre condições de trabalhos de caminhoneiros, remuneração e, claro, a segurança dos veículos autônomos. O chefe de operações da Traton acredita que, em alguns casos, haverá dificuldade de encontrar pessoas dispostas a continuar dirigindo caminhões. A falta de reposição também acontece quando profissionais se aposentam e não têm seus postos preenchidos. Assim, os autônomos ocupariam esta lacuna. Mas o assunto é mais delicado, e envolve outras discussões. De qualquer forma, a tecnologia já caminha para suprir essa necessidade. ]]>
Detran-RN investiga se falha no sistema liberou acesso a dados de motoristas de todo o pashttp://gpideia.com.br/noticia/detran-rn-investiga-se-falha-no-sistema
Órgão abriu processo administrativo para apurar o alcance da falha, bem como por quanto tempo as informações podem ter ficado expostas. Detran-RN investiga se falha no sistema permitiu acesso a dados de motoristas de todo o país Divulgação O Departamento de Trânsito do Rio Grande do Norte está investigando se uma falha no sistema do órgão permitiu o acesso a dados pessoais de condutores habilitados e também proprietários de veículo de todo o país. De acordo com a assessoria de comunicação do Detran, foi aberto um processo administrativo para apurar o alcance da falha no sistema. O Detran informou ainda que a "falha foi sanada" nesta terça-feira (8). A falha no sistema foi denunciada em uma matéria publicada no site Olhar Digital. Através da assessoria de comunicação, o Detran-RN disse que as informações dos usuários não foram afetadas e que não houve interferência nos sistemas do Registro Nacional de Carteira de Habilitação (Renach) e do Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavan). Esses dois sistemas reúnem todas as pessoas habilitadas e donos de veículos do Brasil. Apesar disso, o Departamento afirmou que não pode ainda precisar quais dados ficaram expostos, se houve acessos em série na página e quantas pessoas acessaram esses dados. De acordo com o Detran, todas essas questões só serão esclarecidas durante a o procedimento administrativo. Ainda segundo o Detran, as informações do Renach e do Renavan são geridas pelo Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), contudo os órgãos estaduais têm acesso a elas, para consulta. O uso é restrito a servidores. ]]>
Nissan muda nome do Versa 'antigo' no Mxico, e deve repetir estratgia no Brasilhttp://gpideia.com.br/noticia/nissan-muda-nome-do-versa-antigo-no
Isso porque uma nova geração foi lançada, fazendo com que o modelo atual fosse rebatizado como V-Drive. Sedã deve chegar por aqui no ano que vem. Nissan Versa 2020 Divulgação A subsidiária mexicana da Nissan lançou nesta semana a nova geração do Versa, o carro mais vendido daquele país. No entanto, a nova versão, mais moderna, tecnológica e segura, não irá substituir o modelo anterior, que promete continuar muito bem naquele mercado. Porém, para não ter dois produtos bastante distintos com o mesmo nome, a Nissan resolveu renomear o antigo Versa. A partir de agora, ele se chama V-Drive, e segue oferecido em duas versões: uma com câmbio manual, e outra com transmissão automática, do tipo CVT. Novo Versa também vai conviver com geração atual no Brasil Nissan Versa 2020 Divulgação Os preços são de 189,7 mil e 201,7 mil pesos, respectivamente, que equivalem a R$ 39,6 mil e R$ 42,1 mil, nesta ordem. Diferença de modelos A manutenção do modelo mais antigo pode ser explicada pela grande diferença entre as gerações. O novo Versa tem preços bem mais altos. Eles partem de 239,9 mil pesos (R$ 50,1 mil), e chegam aos 322,5 mil pesos, ou R$ 67,4 mil. Por outro lado, agora ele pode oferecer 6 airbags, câmera 360°, frenagem automática de emergência, alerta de colisão frontal e alerta de tráfego cruzado – todos itens indisponíveis no Versa que conhecemos aqui no Brasil. Interior do Nissan Versa 2020 Divulgação E o Brasil? Falando em Brasil, a Nissan pode repetir a estratégia em nosso mercado, e batizar o Versa atual de V-Drive. Ainda não há uma data de chegada da nova geração do Versa, mas isso acontecerá ao longo do próximo ano. Além disso, a empresa já confirmou que as duas versões irão conviver. Nissan Versa vendido atualmente no Brasil Divulgação Inclusive, existe a possibilidade de a nova geração não ser produzida por aqui – ela viria importada do México. De qualquer forma, a Nissan vai ampliar sua faixa de atuação no segmento de sedãs compactos. Enquanto o V-Drive concorreria com modelos mais em conta, como Volkswagen Voyage e Chevrolet Prisma Joy, o Versa disputaria mercado com Chevrolet Onix Plus, Volkswagen Virtus, Toyota Yaris e versões mais caras de Hyundai HB20S e Ford Ka Sedan. ]]>
Novo Nissan Versa 'obriga' antigo a mudar de nome no Mxico; estratgia pode ser repetida no Brasilhttp://gpideia.com.br/noticia/novo-nissan-versa-obriga-antigo-a-mudar
Geração anterior segue no mercado mexicano, mas agora se chama V-Drive. Sedã deve chegar por aqui no ano que vem. Nissan Versa 2020 Divulgação A subsidiária mexicana da Nissan lançou nesta semana a nova geração do Versa, o carro mais vendido daquele país. No entanto, a nova versão, mais moderna, tecnológica e segura, não irá substituir o modelo anterior, que promete continuar muito bem naquele mercado. Porém, para não ter dois produtos bastante distintos com o mesmo nome, a Nissan resolveu renomear o antigo Versa. A partir de agora, ele se chama V-Drive, e segue oferecido em duas versões: uma com câmbio manual, e outra com transmissão automática, do tipo CVT. Novo Versa também vai conviver com geração atual no Brasil Nissan Versa 2020 Divulgação Os preços são de 189,7 mil e 201,7 mil pesos, respectivamente, que equivalem a R$ 39,6 mil e R$ 42,1 mil, nesta ordem. Diferença de modelos A manutenção do modelo mais antigo pode ser explicada pela grande diferença entre as gerações. O novo Versa tem preços bem mais altos. Eles partem de 239,9 mil pesos (R$ 50,1 mil), e chegam aos 322,5 mil pesos, ou R$ 67,4 mil. Por outro lado, agora ele pode oferecer 6 airbags, câmera 360°, frenagem automática de emergência, alerta de colisão frontal e alerta de tráfego cruzado – todos itens indisponíveis no Versa que conhecemos aqui no Brasil. Interior do Nissan Versa 2020 Divulgação E o Brasil? Falando em Brasil, a Nissan pode repetir a estratégia em nosso mercado, e batizar o Versa atual de V-Drive. Ainda não há uma data de chegada da nova geração do Versa, mas isso acontecerá ao longo do próximo ano. Além disso, a empresa já confirmou que as duas versões irão conviver. Nissan Versa vendido atualmente no Brasil Divulgação Inclusive, existe a possibilidade de a nova geração não ser produzida por aqui – ela viria importada do México. De qualquer forma, a Nissan vai ampliar sua faixa de atuação no segmento de sedãs compactos. Enquanto o V-Drive concorreria com modelos mais em conta, como Volkswagen Voyage e Chevrolet Prisma Joy, o Versa disputaria mercado com Chevrolet Onix Plus, Volkswagen Virtus, Toyota Yaris e versões mais caras de Hyundai HB20S e Ford Ka Sedan. ]]>
Aps Ghosn e renncia de presidente, Nissan ter novo comandantehttp://gpideia.com.br/noticia/apos-ghosn-e-renuncia-de-presidente
Makoto Uchida assumirá a empresa até 1º de janeiro. Em setembro, Hiroto Saikawa, ex-chefe da empresa, anunciou que deixaria o cargo por receber pagamentos indevidos. Sede da Nissan no Japão Divulgação A Nissan anunciou nesta quarta-feira (9) que terá um novo presidente, que assume o posto até 1º de janeiro de 2020. O escolhido foi Makoto Uchida, que ocupa atualmente o cargo de presidente da Dongfeng, empresa que faz parte do grupo. Ele também é vice-presidente sênior da Nissan. Além da ascensão de Uchida, a Nissan também terá um novo chefe de operações. Quem assumirá o posto é Ashwani Gupta, que tem cargo semelhante na Mitsubishi, outra empresa do conglomerado. Uchida assumirá a presidência em meio a uma crise na fabricante. No mês passado, o então presidente, Hiroto Saikawa informou que iria renunciar ao cargo, após admitir ter recebido pagamentos indevidos. Presidente da Nissan. Makoto Ushida Divulgação O próprio Saikawa assumiu a Nissan em 2017, sucedendo o brasileiro Carlos Ghosn, que, na época, se afastou do cargo para cuidar das parcerias com Renault e Mitsubishi. Prisão de Carlos Ghosn: o que se sabe até agora Presidente da Nissan admite ter recebido pagamento indevido O que há por trás do declínio da Nissan, gigante japonesa dos automóveis Em novembro do ano passado, Ghosn foi preso em Tóquio, acusado de diversos crimes financeiros. Ele comandou a montadora japonesa entre 2001 e 2017. Ghosn passou a ser considerado como um "titã da indústria" por salvar a Nissan da falência com uma estratégia radical (e bem-sucedida) de corte de custos no início dos anos 2000. Em março, Ghosn foi solto, após pagar fiança. No mês seguinte, acabou preso outra vez, após novas acusações. Por fim, ainda em abril, foi solto novamente, depois de pagar nova fiança. Agora, aguarda julgamento, que deve acontecer apenas no ano que vem. ]]>
Pas registra deflao em setembro: veja os preos que mais caram e os que mais subiram no anohttp://gpideia.com.br/noticia/pais-registra-deflacao-em-setembro
IPCA recuou 0,04% em setembro, menor resultado para um mês de setembro desde 1998. Com o resultado, índice tem alta de 2,49% no ano e desacelerou para 2,89% em 12 meses. IPCA de setembro fica em -0,04% O Brasil registrou deflação em setembro, segundo divulgou nesta quarta-feira (9) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) recuou 0,04% em setembro, o menor resultado para um mês de setembro desde 1998. Com o resultado, o índice tem alta de 2,49% no ano e desacelerou para 2,89% em 12 meses. É a primeira vez desde maio de 2018 que o índice fica abaixo de 3% no acumulado em 12 meses – favorecido pela queda dos preços dos alimentos em 2019 e pela fraqueza da economia, que dificulta os reajustes em meio a uma demanda ainda fraca. Apesar da inflação mais baixa em 2019, diversos itens ficaram mais baratos neste ano, enquanto que outros subiram bem acima do índice geral. Dos 463 itens pesquisados, 174 acumulam em 9 meses alta acima do IPCA (2,49%), enquanto que 289 tiveram uma variação menor ou igual. Ao todo, 119 tiveram variação negativa, ou seja, deflação. Entre os itens cujos preços mais caíram no acumulado no ano, destaque para alimentos como tomate (-35,52%), laranja da Bahia (-31,17%) e abacate (-28,17%), além de aluguel de veículo (-33,17%) e passagem aérea (-16,85%). Já na outra ponta, os principais destaques de alta foram feijão-branco (62,24%), cebola (43,63%), batata inglesa (20,16%), feijão carioca (18,28%), gás encanado (16,23%) e energia elétrica residencial (10,92%). Educação Financeira: por que nem todos sentem a inflação? O IPCA pondera a variação média dos preços dos bens e serviços considerados mais importantes para os consumidores. O índice é calculado mensalmente pelo IBGE com base no peso destes itens no orçamento de famílias com renda de 1 a 40 salários mínimos. Vale lembrar, porém, que a composição dos gastos de cada família varia muito e que nem todos sentem a inflação da mesma forma. As famílias de menor renda, por exemplo, dedicam parcelas maiores dos gastos à alimentação. As com maior renda reservam boa parte do orçamento para educação, saúde e lazer. Quem tem carro, tende a sentir mais no bolso uma alta da gasolina. Já quem come mais carne vai sentir mais se esse produto subir. Historicamente, os gastos com habitação são os que mais pesam no orçamento das famílias brasileiras. Na sequência, aparecem os gastos com transporte e alimentação, conforme a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), divulgada na semana passada pelo IBGE. Por que nem todos sentem a inflação da mesma forma? Peso do transporte no orçamento familiar ultrapassa o da alimentação pela 1ª vez Preço do tomate acumula queda de 35,52% no ano e foi item que mais caiu, segundo o IBGE Rodrigo Scapolatempore/G1 Veja os preços que mais caíram e os que mais subiram no acumulado no ano. 20 maiores quedas Tomate: -35,52% Aluguel de veículo: -33,17% Laranja da Bahia: -31,35% Abacate: -28,17% Goiaba: -19,49% Passagem aérea: -16,85% Maracujá: -14,41% Peixe-anchova: -13% Farinha de mandioca: -12,08% Televisor: -11,86% Peixe-tainha: -10,68% Peixe-vermelho: -9,10% Peixe-dourada: -8,46% Coentro: -7,48% Peixe-cação: -7,43% Laranja-pera: -7,32% Café moído: -7,25% Azeite de oliva: -7,06% Vidro: -6,45% Peixe-corvina: -6,09% 20 maiores altas Feijão-branco: 62,24% Cebola: 43,63% Banana-da-terra: 40,32% Manga: 29,62% Alho: 27,54% Feijão-mulatinho: 26,20% Pimentão: 25,72% Banana-d'água: 21,46% Mandioquinha (batata-baroa): 20,18% Batata-inglesa: 20,16 Feijão-carioca (rajado): 18,28% Feijão-macassar (fradinho): 17,88% Mamão: 16,26% Gás encanado: 16,23% Quiabo: 15,42% Peixe-curimatã: 12,14% Banana-prata: 11,62% Energia elétrica residencial: 10,92% Trem: 10,58% Frango em pedaços: 10,48% Setembro registra deflação de 0,04%, menor resultado para o mês desde 1998 Alimentos puxam deflação em setembro Na passagem de agosto para setembro, houve deflação em 3 dos 9 grupos de produtos e serviços pesquisados pelo IBGE. A queda do IPCA foi puxada principalmente pela redução de 0,43% nos preços dos alimentos e bebidas, que caíram pelo segundo mês seguido. O grupo foi o maior responsável pela deflação em setembro, com impacto de -0,11 ponto percentual no índice geral. Já o grupo "artigos de residência" teve deflação de 0,76%, com destaque para a queda nos preços de eletrodomésticos e equipamentos (-2,26%) e itens de TV, som e informática (-0,90%). Do lado das altas, o destaque de alta em setembro ficou com Saúde e cuidados pessoais (0,58%), pressionado pelo aumento dos planos de saúde (0,57%). Perspectivas e meta de inflação A meta central de inflação deste ano é de 4,25%, e o intervalo de tolerância varia de 2,75% a 5,75%. A meta é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic), que foi reduzida na semana passada de 6% para 5,5% ao ano - a menor da série histórica do BC, que começou em 1986. A deflação de setembro reforça as apostas do mercado de novos cortes na taxa básica de juros, atualmente em 5,5% ao ano, mínima histórica. Os analistas das instituições financeiras continuam projetando para o ano uma inflação abaixo do centro da meta central do governo, com uma taxa de 3,42% em 2019, segundo dados do boletim Focus do Banco Central. Para 2020, o mercado financeiro manteve a estimativa de inflação em 3,78%. No próximo ano, a meta central de inflação é de 4% e terá sido oficialmente cumprida se o IPCA oscilar entre 2,5% e 5,5%. ]]>
Mercedes-Benz lana nova gerao do CLA por R$ 219.900http://gpideia.com.br/noticia/mercedes-benz-lanca-nova-geracao-do
"Sedã-cupê" chega em um degrau acima do Classe A Sedan e tem motor 2.0 turbo de 224 cavalos de potência. Mercedes-Benz CLA 250 Divulgação/Mercedes-Benz A Mercedes-Benz lançou a nova geração do CLA no Brasil. Disponível em versão única e posicionado acima do novo Classe A Sedan, o modelo parte de R$ 219.900. A configuração escolhida para a estreia do "sedã-cupê" renovado foi a CLA 250, equipada com motor 2.0 turbo de 224 cavalos de potência e 35,7 kgfm de torque, e câmbio de dupla embreagem com 7 marchas. De acordo com a Mercedes, ele vai de 0 a 100 km/h em 6,3 segundos. De série, o modelo é equipado com faróis e lanternas full LED, teto solar elétrico panorâmico, rodas de liga leve aro 18, head-up display, sistema multimídia com Apple CarPlay, Android Auto e comandos de voz para diversas funções do veículo (como abrir o teto solar, por exemplo), e modos de condução. Mercedes-Benz CLA 250 Divulgação/Mercedes-Benz A lista segue com controles eletrônicos de tração e estabilidade, assistente de frenagem ativo, sensores de estacionamento e câmera de ré, bancos dianteiros elétricos com memórias dos ajustes e 7 airbags. Quais as diferenças entre CLA e Classe A Sedan? Apresentado ao mundo em 2013, o Mercedes CLA nasceu com a proposta de ser uma versão sedã do Classe A. Porém, em 2018, a marca revelou o Classe A Sedan. A chegada do modelo iniciou a mudança no posicionamento dos sedãs. Agora, o CLA está para o Classe A Sedan assim como o CLS está para o Classe S, ou seja, uma versão de apelo mais esportivo, sugerido especialmente pelo visual e pela carroceria com linhas de um cupê, mas com nível semelhante de equipamentos e acabamento. Mercedes-Benz Classe A Sedan (acima) e CLA (abaixo) Divulgação/Mercedes-Benz A vocação aparece também nas dimensões de cada um. O CLA tem 4,69 metros de comprimento, 2 metro de largura e 1,45 metro de altura. O porta-malas tem 460 litros. Já o Classe A Sedan tem comprimento e largura menores, de 4,55 e 1,99 metros, respectivamente, mas a altura é a mesma do "irmão". O porta-malas tem 30 litros a menos. No Brasil, o novo CLA parte de R$ 219.900 e tem motor 2.0 turbo de 224 cavalos de potência, enquanto o Classe A Sedan começa em R$ 139.900 e tem motor 1.3 turbo de 163 cavalos. Mercedes-Benz Classe A (acima) e CLA (abaixo) Divulgação/Mercedes-Benz ]]>
Peugeot Citron investe R$ 220 milhes em fbrica no Brasil para lanar novos modeloshttp://gpideia.com.br/noticia/peugeot-citroen-investe-r-220-milhoes
Plataforma CMP é mais moderna do que a atual BVH1. Ela será base para os novos Peugeot 208 e 2008. Fábrica da Peugeot Citroën em Porto Real, RJ Divulgação A PSA, dona das marcas Peugeot e Citroën anunciou nesta terça-feira (8) um investimento de R$ 220 milhões na fábrica de Porto Real (RJ). O montante será usado para adaptar a unidade para receber a nova plataforma CMP. De acordo com a PSA, a nova plataforma pode ser usada em modelos compactos e médios, dos segmentos B e C. Atualmente, a CMP é utilizada nas novas gerações dos Peugeot 208 e 2008, que serão lançados no Brasil nos próximos anos. Nova geração do Peugeot 208 usa essa base; veja como ficou o compacto 2008 também será feito na plataforma CMP; conheça No entanto, a PSA não informou quais modelos serão produzidos sobre essa base, nem quando isso deve acontecer. Plataforma CMP da Peugeot Citroën Divulgação Antes de ser implantada no Brasil, a plataforma CMP está sendo adotada também na fábrica da PSA na Argentina, em Palomar. Mesmo com a chegada da plataforma CMP, a fábrica de Porto Real continuará produzindo modelos que utilizam a base BVH1, usada pelos atuais Citroën C3, C4 Cactus e Aircross, além de Peugeot 208 e 2008. Esse investimento será usado apenas para a modernização da fábrica. No futuro, quando os produtos começaram a ser produzidos, haverá novos aportes. A PSA diz que irá introduzir 30 novos robôs no local. Hoje, são 245 na produção. Com as obras, a fábrica ficará parada entre novembro deste ano e janeiro do ano que vem. Nova geração do Peugeot 208 usa a plataforma CMP Divulgação/Peugeot ]]>
Brasileiros que cruzam Amricas de moto enfrentam ameaas para entrar no Equadorhttp://gpideia.com.br/noticia/brasileiros-que-cruzam-americas-de-moto
Rodolfo de Medeiros e Claudinei Batista saíram dos EUA em 10 de setembro e pretendem cruzar 14 países até chegar ao Brasil. Eles foram abordados quando tentavam cruzar fronteira entre Colômbia e Equador, e só conseguiram atravessar à noite, por atalho no meio do mato. Rodolfo de Medeiros e Claudinei Batista, durante trecho da viagem pelas Américas Rodolfo de Medeiros/Arquivo pessoal Dois brasileiros que saíram dos EUA em uma aventura de moto rumo ao Brasil, passando por 14 países, enfrentaram ameaças para conseguir entrar no Equador nesta segunda-feira (7). Ao tentar atravessar a fronteira com a Colômbia, foram abordados por um grupo que participava de protestos contra o governo e tiveram que fugir, se abrigando em um posto do exército. Eles só conseguiram chegar ao país à noite e cruzando um caminho no meio do mato, guiados por um morador da região. “Fizemos o processo de migração no Equador, mas nem conseguimos entrar. Logo em seguida apareceu uma caminhonete cheia de uns caras armados com uns ferros, tentando bater nas motos. Conseguimos escapar por pouco, entramos em uma guarita do exército e demos um tempo ali até abaixar os ânimos. Ficamos na aduana, a Colômbia fechou a fronteira e ficamos horas esperando para seguir viagem”, explica Claudinei Batista, de 42 anos, sobre a primeira tentativa. A moto de Claudinei Batista, no posto do exército na fronteira entre Colômbia e Equador, na segunda-feira (7) Rodolfo de Medeiros/Arquivo pessoal Ao lado do amigo Rodolfo de Medeiros, ele saiu de Miami, nos Estados Unidos, no dia 10 de setembro, com a previsão de chegar a Imbituba, em Santa Catarina, onde moram, cerca de 50 dias depois. Ele conta que os dois já passaram por México, Belize, Guatemala, Honduras, Nicarágua, Costa Rica, Panamá e Colômbia, e só agora, ao tentar ingressar no Equador, enfrentaram dificuldades. “Antes de chegar na fronteira já estávamos com pouca gasolina e os postos já não tinham mais combustível. A gente conseguiu porque um cara arranjou com alguém um galão, alguém que tinha estocado em casa. Pagamos caríssimo (cerca de R$ 70) e mesmo assim foram só três litros”, diz. Claudinei e Rodolfo conseguiram comprar apenas um galão de gasolina na Colômbia, antes de cruzar a fronteira com o Equador Rodolfo de Medeiros/Arquivo pessoal Voltar para a Colômbia, segundo ele, não parecia uma boa opção. “A intenção é ir para a frente, a gente não pode voltar. Não é que não pode, mas o interessante é seguir viagem”, afirma. Ele lembra ainda que a cidade colombiana mais próxima também não oferecia muita estrutura para permanecerem. Seguindo indicações dos militares, a dupla decidiu esperar anoitecer para tentar um caminho alternativo para cruzar a fronteira, mais “escondido”. Ainda assim, enfrentaram novas ameaças. Claudinei Batista, durante trecho da viagem pelas Américas Rodolfo de Medeiros/Arquivo pessoal “Derrubaram árvores para bloquear o caminho, interditaram tudo. Quando tentamos passar, ameaçaram bater nas rodas das motos com vergalhões e eu gritei ‘Brasil, Brasil’, expliquei nossa viagem, mas eles responderam ‘regressa, regressa’, não teve conversa, tivemos que voltar”, conta Batista. O problema é que, desta vez, o posto da fronteira estava fechado e, já do lado equatoriano, eles não tinham mais onde ficar. A salvação veio na forma de um morador da região que conhece todos os atalhos. A moto de Rodolfo de Medeiros, durante trecho da viagem pelas Américas Rodolfo de Medeiros/Arquivo pessoal “Um cara que mora ali perto tem uma motinho, pagamos 35 mil pesos (uns R$ 50) e ele nos guiou pelo meio do mato, foi um caminho de mais ou menos uma hora, e conseguimos finalmente chegar a uma cidade, Nueva Loja. Achamos um hotel para passar a noite e vamos ver se amanhã cedinho conseguimos achar mais gasolina e partir para chegar ao Peru”, conclui, agora mais tranquilo. ]]>
Honda CBF 190R tem patente registrada no Brasilhttp://gpideia.com.br/noticia/honda-cbf-190r-tem-patente-registrada-no
Moto de baixa cilindrada tem visual 'invocado' e é produzida na China. Ainda não há informações sobre uma possível venda da moto no Brasil. Honda CBF 190R Inpi/Divulgação A Honda CBF 190R teve seu desenho registrado no Brasil nesta terça-feira (8). O modelo de origem chinesa foi publicado na relação de patentes pelo Instituto Nacional da Propriedade (Inpi). As patentes são feitas no país por motivos de segurança da propriedade intelectual, ou seja, não significa necessariamente que as motos registradas vão ser vendidas no Brasil. Recentemente, a montadora também publicou a patente da CB 150S e outra moto de baixa cilindrada "misteriosa", mas são motos que têm pouca chance de chegar ao mercado brasileiro. Ao contrário, por exemplo, do caso da CB 650R, que é aguardada para chegar ao país como substituta da CB 650R. Honda CBF 190R Inpi/Divulgação Como é a CBF 190R? Com um visual bem "invocado", a moto é muito parecida com a CB 190R, que é vendida na Argentina, mas tem suas diferenças. Apesar de manter um visual muito parecido com a CB, a CBF tem diferenças nas carenagens laterais do tanque, além de um escape maior. Seu motor é de 1 cilindro e 184,4 cc de cilindrada, com injeção eletrônica, e câmbio de 5 marchas. Ele rende 16,6 cavalos de potência. Honda CBF 190R Inpi/Divulgação ]]>
General Motors afasta 415 funcionrios no Mxicohttp://gpideia.com.br/noticia/general-motors-afasta-415-funcionarios
Ao mesmo tempo, a greve de 48 mil trabalhadores nos Estados Unidos continua. Negociações "rumam para o pior", segundo central sindical. Fábrica da General Motors em Ramos Arizpe, no México Reuters/Daniel Becerril A General Motors anunciou o afastamento temporário de mais 415 funcionários no México. Paralelamente, nos Estados Unidos, uma greve envolvendo 48 mil metalúrgicos da empresa entra na quarta semana. A paralisação parcial foi feita na fábrica de motores de Ramos Arizpe e que as linhas de motores V8 e de transmissões CVT não estão operando. Outros 6 mil funcionários já haviam sido afastados na fábrica de Silao, também no México. Greve nos EUA No domingo, a central sindical norte-americana United Auto Workers (UAW) afirmou que as negociações com a GM na greve "rumam para o pior". As discussões foram retomadas nesta segunda (7). A convocação de greve marca a primeira paralisação nacional na GM nos EUA em 12 anos. A UAW tem confrontado a GM para interromper o fechamento de fábricas de veículos em Ohio e Michigan e afirma que os metalúrgicos merecem salários maiores depois de anos de lucro recorde da montadora na América do Norte. Funcionários da General Motors e integrantes do United Auto Workers, o sindicato de trabalhadores da indústria automotiva nos EUA e Canadá, protestam em Flint, no estado americano de Michigan, contra a redução salarial Jeff Kowalsky/AFP A GM afirma que os fechamentos de fábrica são necessários e que os salários e benefícios aos trabalhadores da UAW são caros se comparados com fábricas não sindicalizadas no sul dos EUA. A greve vai testar tanto a UAW quanto a presidente-executiva da GM, Mary Barra, em um momento em que a indústria de veículos dos EUA está enfrentando desaceleração de vendas e aumento de custos com o desenvolvimento de veículos elétricos. ]]>